22.9 C
Osasco
21 de outubro de 2020
Osasco Saúde

Em Osasco, no Hospital Antônio Giglio, PF investiga fraudes e faz apreensões

Nesta semana, agentes da PF e do MPF estiveram em diversas cidades do país cumprindo mandados de prisão e de busca e apreensão.
Agentes da PF e representantes do MPF estiveram na cidade para cumprir mandado de busca e apreensão no Hospital Municipal Antonio Giglio, um dos maiores da região Oeste. Foto: Divulgação

A PF investiga fraudes praticadas por governos estaduais e por prefeituras. No Pará, os policiais prenderam dois secretários e um assessor do governador Helder Barbalho (MDB). Os crimes investigados são fraude em licitações, falsidade ideológica, peculato, corrupção passiva, corrupção ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Segundo a PF, a investigação batizada no Pará de S.O.S., mira 12 contratos firmados entre o governo do Estado e organizações sociais para administração de hospitais públicos do estado, inclusive os hospitais de campanha criados por conta da pandemia do coronavírus.

Osasco em destaque

Mais uma vez, a cidade de Osasco foi destaque no noticiário nacional, mas, não por ser “a melhor esquina de São Paulo”, como dizia o saudoso e ex-governador Mário Covas, e nem por ser a segunda economia do estado e a sexta do país. Infelizmente, a cidade que, desde 2015, vendo sendo destaque em função da Operação Caça Fantasmas, que investiga a contratação fraudulenta de funcionários fantasmas na Câmara Municipal e que envolve vereadores e o atual prefeito Rogério Lins, foi, novamente destaque nas páginas policiais.

Agentes da PF e representantes do MPF estiveram na cidade para cumprir mandado de busca e apreensão no Hospital Municipal Antonio Giglio, um dos maiores da região Oeste. Segundo as investigações, há indícios de desvio de verbas públicas na área da saúde, através de contratos fraudulentos entre gestores de organizações sociais e o Poder Público.

Aproveitando o estado de calamidade pública durante a pandemia, que suspende a exigência de licitações públicas, esses gestores praticaram as fraudes, firmando contratos fraudulentos e superfaturados. Há alguns meses, houve uma tentativa de homicídio contra o secretário de Saúde de Osasco. Ele só não foi atingido porque estava num carro blindado.

Em nota, a prefeitura de Osasco diz aguardar a manifestação oficial da operação e, caso seja constatada qualquer irregularidade que possa vincular o município, adotará as medidas necessárias.

Além das ações em outros estados, as prisões e as buscas se deram em dezenas de municípios do Estado de São Paulo, como Osasco, Penápolis, Araçatuba, Birigui, Carapicuíba, Ribeirão Pires, Lençóis Paulista, Agudos, Barueri, Guapiara, Vargem Grande Paulista, Santos e Sorocaba. Outros mandados foram cumpridos em cidades do Pará, Paraná, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul.

Para o cumprimento dos mandados desta terça-feira, foram empregados 816 policiais civis, 204 viaturas e dois helicópteros.. Por parte do MPSP, 30 promotores de Justiça e 10 agentes de Promotoria participaram da operação.

Em São Paulo

Na Capital de São Paulo, um dos alvos foi um funcionário na Câmara Municipal, lotado no gabinete do vereador Eliseu Gabriel (PSB). O vereador não é investigado. Já na secretaria estadual de Saúde, os alvos foram uma médica e uma advogada, funcionárias da pasta.

Em nota, a Secretaria diz que colabora com as investigações e que fará “um pente-fino em todos os contratos e convênios firmados com as Organizações Sociais de Saúde (OSS) apontadas pelo MP e Polícia Civil”. (Renato Ferreira com informações do G1)

Posts Relacionados

Dr. Lindoso testa positivo para Covid-19. Veja o resultado do Exame.

Redação

Final de Semana será doce em Osasco – Festival do Churros nos dias 18, 19 e 20 de outubro

Redação

Ações do Outubro Rosa são destaque na UBS

Alessandro Belcorso

1 comentário

Anônimo 20 de outubro de 2020 at 09:58

Bruno, gostaria de saber se há conclusão das investigações em Osasco, operação caça- fantasma.

Resposta

DEIXE UM COMENTÁRIO