19.6 C
Osasco
17 de abril de 2021
Itapevi

GCM de Itapevi fiscaliza uso de linha de pipa com cerol

Mais de 150 carretéis de linha foram apreendidos neste mês de maio; Ação dos guardas serve para alertar a população dos riscos de acidentes
Mais de 150 carretéis de linha com cortante foram apreendidos neste mês de maio(foto: divulgação)
A Guarda Municipal (GCM) de Itapevi tem realizado operações para coibir o uso de linhas de pipa com cerol (mistura de cola com vidro moído e outros objetos). Crianças e até adultos, mesmo com o risco do contágio do novo coronavírus, não estão obedecendo o isolamento social e empinam pipas nas ruas do município e ainda colocam a vida de outras pessoas em risco ao utilizarem cortantes nas perigosas linhas “chilena” e “indonésia”, nesta tradicional brincadeira.
A GCM realiza desde o início de maio, diariamente, operações de combate as pessoas que soltam pipa de maneira irregular. Foram apreendidos cerca de 150 carretéis de linha até o momento. As ações de fiscalização deverão acontecer até o final de junho, mas podem se estender caso a administração municipal veja a necessidade de dar continuidade aos trabalhos.
Segundo levantamento da Abram (Associação Brasileira de Motociclistas), no Brasil acontecem mais de 100 acidentes por ano, sendo que 50% causam ferimentos graves, e 25% fatais.
Desde o início das operações em Itapevi, a GCM já fiscalizou os bairros Jardim São Carlos, Vila Dr. Cardoso, Chácara Vitápolis, Amador Bueno, Jardim Briquet, Jardim Rosemary e Parque Suburbano. A atuação ainda deverá ser ampliada com a proposta de reduzir os acidentes.
A GCM utiliza os agentes das Rondas Regionais e se baseia em duas legislações para fiscalizar. A primeira delas é a lei municipal nº 2050/2010, que dispõe sobre a proibição da comercialização ou uso do cerol e a segunda é a lei estadual nº 12.192/2006, que proíbe o uso de cerol ou de qualquer produto semelhante que possa ser aplicado em linhas de pipas.

Multas e penas para quem faz uso e venda do cerol

A legislação de Itapevi estabelece a proibição, produção, comercialização, armazenamento, e transporte e a distribuição de cerol. Quem comercializa o produto irregular pode pagar multa no valor de cinco UFESPs (Unidade Fiscal do Estado de São Paulo – atualmente afixada em R$27,61), nos termos da lei estadual Nº 12.192/2006. O valor pode chegar a R$ 138,05.
Na sequência e em caso de reincidência, pode ser aplicada multa de 500 UFMs (Unidades Fiscais do Município – no valor atual de R$ 2,05), quantia que pode chegar a R$ 1.025,00.
Em caso de segunda reincidência, a multa é aplicada em dobro e pode chegar a R$ 2.050,00. Os estabelecimentos que comercializam irregularmente a linha com cortante têm a cassação da licença de funcionamento em caso de terceira reincidência.
Já para quem tem menos de 18 anos e for flagrado na prática da atividade pode ser encaminhado ao Conselho Tutelar para as providências cabíveis em relação aos pais ou responsáveis.
O que é linha “chilena” e “indonésia”
A linha “chilena”, é uma mistura de cola de madeira com quartzo moído. A linha “indonésia”, mistura de cola, tipo “super bonder”, com grãos de metais. Os riscos são inúmeros, como cortes e até levar ao óbito de pedestres, ciclistas e motociclistas.

Posts Relacionados

Plantio de 110 mudas de cerejeira em evento marca início da programação da Semana de Educação Ambiental

Alessandro Belcorso

Prefeitura inicia construção do Parque da Cidade

Joyce Araújo

Areninha do Jardim Ruth será inaugurada no dia 14 de setembro

Joyce Araújo

DEIXE UM COMENTÁRIO

https://api.clevernt.com/cde5a1b4-43aa-11eb-9861-cabfa2a5a2de/