19.8 C
Osasco
21 de abril de 2021
Brasil Eleições 2018

Bolsonaro lidera com 26% e Haddad tem 6% em cenário sem Lula, mostra pesquisa; rejeição de Alckmin aumenta

Candidato tucano, Geraldo Alckmin aparece com a maior rejeição – ou seja, a porcentagem de quem não votaria nele “de jeito nenhum” -, com 63% ante 59% da pesquisa anterior

Correção: o levantamento FSB/BTG Pactual corrigiu os números relativos à transferência dos votos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ciro Gomes, Marina Silva e Fernando Haddad herdam 15% cada um dos votos do petista, enquanto Jair Bolsonaro fica com outros 8%.

A primeira pesquisa eleitoral divulgada após o início da propaganda eleitoral na televisão e depois da candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ser barrada pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral) mostrou um cenário de leve variação para cima nas intenções de voto para o provável substituto do petista, Fernando Haddad, enquanto Jair Bolsonaro (PSL) segue na dianteira das intenções de voto em um cenário sem o ex-presidente.

Enquanto isso, Geraldo Alckmin (PSDB), que possui o maior tempo de propaganda eleitoral, segue patinando nas intenções de voto. É o que aponta a mais recente pesquisa FSB/BTG Pactual, divulgada nesta segunda-feira (3), que possui o registro BR-01057/2018 no TSE. O Instituto FSB Pesquisa entrevistou, por telefone, 2.000 eleitores, e a margem de erro é de 2 pontos percentuais. A decisão do Tribunal Eleitoral, que determinou a inelegibilidade de Lula a presidência, não está refletida em todos os cenários.

Contudo, em um cenário em que Lula ainda aparece, na intenção de voto espontânea, a queda do petista é expressiva, passando de 26% na semana anterior, para 21% no último levantamento para o petista. Bolsonaro teve elevação dentro da margem de erro, indo de 19% para 21%, Ciro Gomes (PDT) foi de 2% para 4%, Alckmin e Marina Silva (Rede) oscilaram de 2% para 3%. João Amoêdo (Novo) manteve 3% das intenções de voto, enquanto Álvaro Dias (PODE) seguiu em 1%. Não sabem ou não responderam passaram de 25% para 24%, não votariam em ninguém foram de 15% para 14%, enquanto brancos e nulos se mantiveram em 5%.

Já na intenção de voto estimulada, Lula aparece com oscilação para cima dentro da margem de erro, passando de 35% para 37%, Bolsonaro se manteve com 22% das intenções de voto, Marina Silva caiu de 9% para 5%, enquanto Ciro Gomes foi de 5% para 7%. Alckmin manteve os 6% de intenção de voto, Alvaro Dias passou de 2% para 3% e Amôedo manteve os 4% dos votos.

Em um cenário de intenção de votos estimulada tendo Haddad como substituto de Lula, Jair Bolsonaro passou de 24% de intenção de voto no levantamento anterior para 26%, Marina caiu de 15% para 11%, enquanto Ciro Gomes se destacou ao passar de 8% da intenção de voto para 12% em uma semana. Alckmin oscilou para baixo, de 9% para 8%, enquanto Haddad oscilou para cima, de 5% para 6%. Amoêdo se manteve com 4% dos votos, assim como Álvaro Dias, que seguiu com 3%. Não votaria em ninguém se manteve em 18%, branco/nulo somam 4%, enquanto não sabe/não responderam foi para 6%.

O levantamento também fez um cruzamento de dados mostrando a transferência de votos de Lula – como vota no cenário com Haddad quem votou no ex-presidente petista em outro cenário. Marina teve queda de 17% para 15%, Haddad subiu de 12% para 15%. Com expressivo crescimento, está Ciro, de 9% para 15%, enquanto Bolsonaro e Alckmin tiveram oscilação para baixo, de 9% para 8%. Alvaro Dias, Henrique Meirelles (MDB) e Guilherme Boulos (PSOL) herdam 1% dos votos.

O apoio de Lula a Haddad também apontou um aumento de importância. O número de pessoas que não votariam de jeito nenhum em Haddad caso Lula não pudesse ser candidato e apoiasse o ex-prefeito paulistano caiu de 64% para 61%, enquanto o número dos que votariam com certeza foi de 18% para 19%. Os que poderiam votar foi de 13% para 14% de uma semana para outra.

Potencial de voto X rejeição

Com relação ao potencial de voto (porcentagem dos que poderiam votar em um determinado candidato), Lula aparece em primeiro com 53%, seguido por Bolsonaro e Marina, ambos com 35%, Ciro com 34%, Alckmin com 27%, Haddad com 20%. Alvaro Dias tem 15%, Meirelles possui 12% de potencial de voto, seguido por Amoêdo com 11%, Vera Lúcia (PSTU) e Boulos com 6%. Cabo Daciolo (PATRI) e João Goulart Filho (PPL) possuem ambos 5% de potencial de voto, enquanto José Maria Eymael (DC) registra 4% de intenção de voto.

Alckmin aparece com a maior rejeição – ou seja, a porcentagem de quem não votaria nele “de jeito nenhum” -, com 63% ante 59% da pesquisa anterior. Marina aparece na sequência com 58%, ante 54% do último levantamento, seguida por Meirelles, com 55% (ante 51% da pesquisa anterior). Ciro Gomes e Bolsonaro possuem 51% de rejeição – ante 53% e 49% do último levantamento, respectivamente. Enquanto isso, Lula oscilou para baixo, de 47% para 46% de rejeição.

fonte: Lara Rizério

Posts Relacionados

Fim de ano: como aproveitar as férias com segurança

Leticia Mariana

Suspensa venda de vegetais congelados importados em todo território nacional

Alessandro Belcorso

Jair Bolsonaro recebe alta da UTI

Alessandro Belcorso

DEIXE UM COMENTÁRIO

https://api.clevernt.com/cde5a1b4-43aa-11eb-9861-cabfa2a5a2de/