12.5 C
Osasco
13 de junho de 2021
Barueri Política

Barueri integra equipe Estadual que irá formular legislação sanitária para fracionamento de medicamentos fora de ambiente hospitalar

Barueri faz parte da equipe que atuará para a formulação da regulamentação da legislação sanitária sobre o fracionamento de medicamentos fora do ambiente hospitalar.
Barueri integra equipe Estadual que irá formular legislação sanitária para fracionamento de medicamentos fora de ambiente hospitalar Foto: Prefeitura de Barueri

A Coordenadoria de Vigilância em Saúde de Barueri, coordenada por Rosana Perri Andrade Ambrogini, está participando, em conjunto com o Centro de Vigilância Sanitária do Estado de São Paulo (CVS), da formulação da regulamentação da legislação sanitária sobre o fracionamento de medicamentos fora do ambiente hospitalar.

A coordenação geral dos trabalhos está a cargo da diretora técnica do CVS-SP, Isabel D’lellis, que reuniu uma equipe técnica presencial composta por Rita de Cassia Bacoccini,  diretora da área de medicamentos do CVS-SP; Alcides Sampaio Jr. , diretor da Vigilância Sanitária de Mogi das Cruzes; Rafael A. Buozo, diretor de Vigilância Sanitária de Barueri; Jonathan Macedo, técnico da Vigilância Sanitária de Barueri; Milene Ribeiro Costa, coordenadora da Vigilância Sanitária de Embu das Artes e Nancy Gomes Silva, técnica da Vigilância Sanitária de Guarulhos. Além desses, participa remotamente uma equipe de técnicos da Vigilância Sanitária de Osasco, São Paulo e da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

“O intuito deste trabalho é buscar a normatização das atividades de fracionamento de medicamentos efetuado fora do ambiente hospitalar, que é uma solicitação dos hospitais e que ainda precisa de legislação sanitária específica para que possa ser desenvolvida e executada”, explica Rafael Buozo, da Vigilância Sanitária de Barueri.

De acordo com ele, neste início dos trabalhos presenciais, foram verificados três modelos de apresentações distintas:  do Hospital das Clínicas de São Paulo, realizada nas dependências da empresa de logística hospitalar Hosplog (Barueri), da Rede D’or, na TLS Logistica (Embu das Artes), e da Beneficência Portuguesa, feita na RS Ímola (Guarulhos).

Ainda segundo Rafael, “há muito tempo os hospitais necessitam de mais espaços. Muitos deles já utilizam de armazéns logísticos para a central de distribuição de seus insumos e ultimamente, o foco tem sido a farmácia hospitalar.”

O diretor lembra que a resolução federal RDC nº 67 de 2007, que dispõe sobre “Boas Práticas de Manipulação de Preparações Magistrais e Oficinais para Uso Humano em Farmácias”, não permite realizar o fracionamento fora do ambiente hospitalar. Daí a necessidade de, com a participação da Anvisa, dar início às discussões e buscar da melhor maneira possível procedimentos para a promoção, preservação e recuperação da saúde, normatizando legislação sanitária para essa atividade.

“Esta normatização não será somente para atender o Estado de São Paulo, ela está sendo discutida para ser regulamentada pela Anvisa para todo o território nacional”, completa Rafael.

Posts Relacionados

Osasco inicia segunda-feira (12/04) vacinação contra a influenza

Bruno Schwabenland

Obras na Vila União seguem em ritmo acelerado

Bruno Schwabenland

Aprovado mais um projeto de Renata Abreu no combate à violência contra a mulher

Bruno Schwabenland

DEIXE UM COMENTÁRIO

https://api.clevernt.com/cde5a1b4-43aa-11eb-9861-cabfa2a5a2de/