19.9 C
Osasco
25 de outubro de 2020
Cidades

Ajuda ao próximo: A jornalista Meiri Borges colocou seus vestidos para serem trocados por alimentos

Em momento em que muitas pessoas estão preocupadas com o próprio futuro, devido às incertezas provocadas pela COVID-19, há quem consiga pensar no próximo. Encontramos a jornalista que desfez seu closet em troca de cestas básicas para alimentar várias famílias.
Foto (Facebook): vestido que foi vendido para comprar cestas básicas.

Sabedores que no momento não é possível realizar as atividades laborais normalmente, usam o conhecimento para ajudar quem precisa. Caso da jornalista Meiri Borges, de 37 anos, que concebeu e colocou em prática a ideia de trocar seus “vestidos de festa” por alimentação.

 

Com a prorrogação da pandemia e o isolamento social se postergando por mais dias, Meiri Borges percebia que muitas pessoas estavam sem emprego, e não conseguiam alimentar seus filhos. Esta situação mexeu com ela. “Eu recebia vários pedidos de ajuda para alimentar as famílias, mas percebi que sozinha não conseguiria fazer muita coisa. Se eu pedisse ajuda aos meus amigos pelas redes sociais, aí sim ajudaríamos muito mais”, afirmou a jornalista, que acredita estar colaborando onde a ajuda do governo não chega. E foi isso que ela fez.

 

No começo, de uma única vez, ela e os amigos conseguiram ajudar 250 famílias que estavam em extrema dificuldade. Esta boa notícia se espalhou facilmente, e com o passar dos dias, os pedidos de ajuda só aumentavam. “Cheguei em casa e comecei a pensar. De que forma eu poderia ajudar as outras famílias? Olhei para o meu closet, vi um monte de vestidos lindos que comprei, mas nunca havia usado. Pensei que estas roupas teriam mais utilidade vestindo outras mulheres (após o isolamento social) do que guardado. Postei as fotos dos modelos e sugeri a troca dos vestidos por cestas básicas, as meninas adoraram a novidade e em dois dias eu troquei 20 vestidos de festas por alimentos (foram arrecado 100 cestas básicas)”, comentou Meiri.

Esta alimentação é destinada para as famílias que moram em comunidade nas periferias de Osasco, Barueri, Carapicuíba e Itapevi. “Em Osasco tem duas ONGs que sei que fazem um trabalho sério nas comunidades, então destinei parte destes donativos para a instituição (são famílias carentes com muitos filhos)”, complementou a jornalista.

Ela ressalta que as pessoas choram quando recebem os alimentos. “Uma mãe estava com o filho no colo desfalecido de fome quando recebeu a cesta e chorou de gratidão. A intenção é realmente amenizar a dor dessas pessoas. Eu sou mãe, sei o que é ter o filho pedindo comida a toda hora e fico imaginando o desespero e falta de estrutura dessas famílias que não estão conseguindo alimentar os filhos. Não vou ser indiferente e nem egoísta a tudo isso. Enquanto eu tiver, eu vou dividir o que eu tenho”, finalizou Borges, que não pretende apenas alimentar essas famílias, mas também mostrar que tem alguém que se importa com elas.

As próximas ações serão postadas nas redes sociais visando arrecadar mais alimentos para as famílias necessitadas. “Estarei postando os modelos dos vestidos e a quantidade de cestas que ele vale – mais ou menos assim; Esse vestido é da marca XX YY ZZ e vale 2 ou 3 cestas básicas. Eu acho que todo mundo pode fazer um pouquinho. Acredito que alguém que está precisando de ajuda neste momento. Essa corrente do bem tem um poder enorme e podemos sim mudar essa triste realidade”, finalizou Meiri Borges.

 

As redes sociais são;

https://www.instagram.com/meiriborges/

https://www.facebook.com/meiriborges

 

 

Posts Relacionados

Cooperativismo pode ser solução para déficit habitacional brasileiro

Redação

Cozinheiro de Aluguel é o novo colunista do Portal Oeste Paulista

Alessandro Belcorso

Prefeitura oficializa projeto de lei que institui plano de carreira da educação

Redação

DEIXE UM COMENTÁRIO