20.3 C
Osasco
15 de maio de 2021
Barueri Política

Adestramento: ajuda necessária para o acolhimento

Quando os pets se recuperam, após serem atendidos pelo Resgate Animal, eles precisam ser preparados para que as pessoas possam os adotar.
Adestramento: ajuda necessária para o acolhimento. – Foto: Prefeitura de Barueri

Quando os pets se recuperam, após serem atendidos pelo Resgate Animal, eles precisam ser preparados para que as pessoas possam os adotar. E o processo que ocorre no CEPAD I para socializar os bichos com os humanos é o adestramento. Mas a prática é restrita somente a animais resgatados e não os que já têm tutores.

O processo de adaptação consiste em acostumar os pets a diversos estímulos em contato com as pessoas e outros bichos. Essa interação resulta em alguns movimentos, como dar a pata, sentar-se, rolar, além de suportar estímulos sem sentir medo ou agredir.

Todos os animais são envolvidos no processo e são passíveis de aprendizado em qualquer idade. Mas, em alguns casos, os bichos levam mais tempo para se adaptar, como os que possuem a personalidade mais agressiva ou os que sofreram maus tratos e carregam traumas. Essa característica pode ser amenizada com o trabalho de socialização.

O responsável pelo treinamento dos animais no Centro de Proteção ao Animal Doméstico (CEPAD) de Barueri por mais de um ano e meio, Jesimiel Lucas, conta sobre o dia a dia, as dificuldades, as alegrias e o êxito de preparar os pets para adoção.

“Temos a área de socialização, que seria um treinamento com os animais, que inclui percurso, interação, diversão e aproveitamos para trabalhar a questão do comportamento de animais medrosos e agressores também nessa área. O dia a dia dos animais é bastante intenso, com acompanhamento veterinário de manhã e à tarde, além do acompanhamento do adestrador e a criação de uma rotina para todos”, descreve.

Adestramento: ajuda necessária para o acolhimento. – Foto: Prefeitura de Barueri

Segundo Jesimiel, lidar com os animais mais agressivos é a parte mais difícil. “A preparação do animal agressor para adoção passa por uma série de processos até que esse animal responda bem à questão comportamental. O animal que chega agressor, passa por uns três meses intensivos de aproximação, usando técnicas para conseguir recuperá-lo. Mas assim que conseguimos, pra nós é um motivo de total alegria, contando também com as adoções diárias do CEPAD”, comenta o profissional.

O resultado é gratificante, como não consegue esconder o adestrador: “isso resulta em alegria quando todos esses problemas, essas dificuldades, são resolvidas. Nós temos tido êxito em muitos desses casos. Trabalhar com animais em geral, tanto cães quanto gatos, já é um motivo de alegria”, finaliza.

Posts Relacionados

Campanha Vacina Solidária gera primeira remessa ao Fundo Social

Bruno Schwabenland

Prefeitura de Itapevi informa que não haverá crédito no Cartão Bolsa Merenda em janeiro

Bruno Schwabenland

DEIXE UM COMENTÁRIO

https://api.clevernt.com/cde5a1b4-43aa-11eb-9861-cabfa2a5a2de/