31.6 C
Osasco
28 de outubro de 2020
Carreiras e Negócios

Síndrome do Impostor – cada vez mais comum e afeta cerca de 70% dos profissionais

Conheça a síndrome que vem se tornando cada vez mais comum e afeta cerca de 70% dos profissionais e descubra o que é, faça um teste e saiba como tratar.
Imagem: Reprodução internet

Não importa o nível ou cargo em qual esta pessoa está, qualquer um pode experimentar a síndrome do impostor.

Geralmente, cerca de 70% das pessoas se sentem “uma fraude” no ambiente de trabalho alguma vez na vida, de acordo com uma pesquisa da Universidade Dominicana da Califórnia.

A síndrome do impostor é baseada em uma autopercepção de falsidade intelectual, ou seja, de ser uma fraude e que a qualquer momento alguém irá desmascará-la. Envolve sentimentos de baixa autoestima e insegurança.

Nada mais é do que uma crença dentro da pessoa de que ela não é boa o suficiente. Por mais que ela consiga vários resultados positivos, ela não consegue se perceber dentro disso. Acha que suas conquistas são fruto de sorte ou qualquer outro fator. O mérito não vai para a ela. É uma síndrome ligada à capacidades, habilidades e o não merecimento.

Geralmente pessoas com síndrome do impostor são perfeccionistas, têm um enorme medo do fracasso e constantemente inibem as suas próprias conquistas.

A síndrome do impostor é muito comum em:

  • Jovens no início de carreira;
  • Pessoas que têm profissões competitivas (atletas, artistas e empresários);
  • Profissões nas quais as pessoas são avaliadas e testadas a todo momento (como nas áreas da saúde e do ensino);
  • Pessoas que estejam em uma posição de ser alvo de julgamento por desempenho (ao receber uma promoção no trabalho ou iniciar um novo projeto);
  • Pessoas que sofrem discriminações sociais;
  • Pessoas que cresceram em famílias onde a cobrança por resultados e alta performance é intensa;
  • Pessoas inseguras e que internalizam críticas e falhas.

Mas é importante saber que qualquer pessoa pode desenvolver esta síndrome, e em qualquer idade.

E  como identificar se você tem a síndrome do impostor? Se você sente mais de 4 sensações dessa abaixo a probabilidade de você sofrer da síndrome do impostor é alta, são elas:

  • Ansiedade, dúvidas e inseguranças quanto às próprias capacidades;
  • Sentimento de não merecimento;
  • Práticas de autossabotagem;
  • Dependência da aprovação externa;
  • Desqualificação dos feitos pessoais como “sorte” ou “oportunismo”;
  • Discursos autodepreciativos;
  • Necessidade constante de reavaliar o próprio trabalho;
  • Fuga de situações que as coloquem no centro das atenções;
  • Trabalho em excesso, além do necessário;
  • Medo de serem descobertas.

Como superar a síndrome do impostor?

1.     É essencial buscar ajuda de um profissional para se autoconhecer. Ter consciência dos seus dons, habilidades e competências fará toda diferença. Sozinho, é muito difícil.

2.     Após identificar que está com a síndrome do impostor é importante falar sobre. Você descobrirá que não está sozinho nessa – a síndrome do impostor é mais comum do que pensamos!

3.     Faça uma lista de suas realizações, habilidades e sucessos, independentemente de quão grande ou pequeno sejam. Analise sua vida e veja quais foram os resultados tangíveis de suas ações, por exemplo: simplificação de processos, melhorias de lucro, redução de custos, entre outros. E não esqueça dos resultados intangíveis que podem ser por exemplo: melhoria no processo, uma equipe motivada e mais engajada. Por mais intangíveis que sejam, são tão importantes quanto as tangíveis. Não menospreze o seu trabalho. Você tem valor, o que você faz tem valor. Após fazer essa análise, inclua essas conquistas em seu currículo como um lembrete do valor que você traz para sua função.

4.     Construa um sistema de forte apoio com as pessoas que você mais admira, confia e respeita (coach, família e amigos). Peça feedbacks contínuos e veja que seus esforços e resultados são vistos.

5.     Aprenda a falar sobre si, a se admirar e falar com convicção sobre você. A síndrome do impostor acontece quando você subestima o quão bom você realmente é.

6.     Entenda que não é necessário saber tudo. Permita-se continuar aprendendo e aceite que todos têm suas vulnerabilidades, não importa o cargo atual ou idade. E que é impossível saber tudo sobre determinado assunto. Conhecimento é algo infinito, quando você acha que sabe tudo, vem novos estudos, novos questionamentos, novas versões.

7.     Repense. É preciso avaliar se seus valores combinam com o ambiente em que você está? Você acredita no negócio, você está cercado por profissionais que te inspiram? O que te motiva e desmotiva no trabalho? O que você está disposto a tolerar e o que não é aceitável? Decida o que você vai fazer para mudar o que pode ser mudado à sua volta.

8.     Avalie as suas habilidades em relação ao seu desejo profissional. Estão atualizadas? Você precisa de mais experiência em uma área específica? Precisa de treinamento e experiência adicionais, planeje como você vai conseguir. O mundo do trabalho está mudando e, para ficar no topo do jogo, você deve manter suas habilidades sempre atualizadas.

9.     E por fim e não menos importante cuide-se! Durma bem, coma bem, cuide do seu corpo e da sua mente. Faça exercício físicos, medite, ore. Use afirmações positivas e reconheça seus pontos fortes. Seja a sua ou o seu melhor amigo (a)!

Se você quer saber se você sofre da síndrome do impostor e se sim em qual grau, segue link com um teste.

Descubra aqui se você sofre da Síndrome do Impostor

E vamos combinar uma coisa? Da próxima vez que alguém elogiar o seu bom trabalho, apenas diga: “muito obrigado!”, combinado?

Por: Paloma Torres – @palomatorresmastercoach / www.palomatorres.com.br
Master Coach, Analista Comportamental, Especialista em Neurociência e Inteligência Emocional 

Posts Relacionados

Saiba quais são os hábitos ineficazes que lideres usam e que dificultam o sucesso da equipe

Redação

O retorno das mulheres no mercado de trabalho pós-pandemia ‘não será fácil’, diz estudo

Mariana Domin

Os cargos e suas respectivas funções na área administrativa

Patrick

DEIXE UM COMENTÁRIO