17.6 C
Osasco
26 de setembro de 2020
Saúde

Reabertura de parques em SP acende alerta sobre a transmissão do coronavírus via atividades ao ar livre

Setenta espaços, incluindo os de maior alcance, o Ibirapuera e Parque do Carmo, voltam a funcionar na segunda, diz Covas

Em decreto publicado na manhã desta sexta-feira (10) no Diário Oficial do Município, autoriza a reabertura de 70 parques recreativos da capital paulista. Segundo o prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), os parques municipais serão reabertos a partir da próxima segunda-feira (13). 

A medida faz parte do processo de flexibilização alinhada ao governo de São Paulo que nesta sexta-feira (10) anunciou o maior afrouxamento à quarentena no Estado desde maio, quando o programa de retomada econômica em meio à pandemia foi instalado, o Plano São Paulo.

 

O novo protocolo de reabertura dos parques reduz a capacidade de acesso em até 40%, disponibilizando horários limitados e funcionamento de segunda-feira a sexta-feira. Ainda assim, tais medidas são preocupantes.

De acordo com pesquisadores da Universidade Católica de Leuven, na Bélgica, e a Universidade de Tecnologia de Eindhoven, na Holanda, praticantes de atividades físicas ao ar livre deixam ‘rastro’ de gotículas capazes de transmitir o vírus.

Imagem mostra como as gotículas de saliva se espalham atrás de uma pessoa que corre a 14,4km/h e podem infectar alguém que vem logo atrás se a pessoa estiver contaminada com a Covid-19. — Foto: Universidade de Tecnologia de Eindhoven

Os cientistas analisaram simulações feitas em computador de movimentos de caminhada, corrida e pedalada e concluíram que as gotículas de saliva emitidas pelas pessoas durante esses exercícios ficam no ar logo atrás delas enquanto elas se movimentam.

Em uma das simulações, recomenda-se que, durante a pandemia de Covid-19, dependendo da atividade, as pessoas mantenham distância de até 20 metros umas das outras em exercícios físicos ao ar livre.

 

Imagem acima mostra os caminhos que as gotículas de saliva fazem quando uma pessoa caminha ao lado da outra. — Foto: Universidade de Tecnologia de EEindhoven

Por isso, os cientistas alertam que, em atividades físicas ao ar livre, as simulações computadorizadas apontaram que há risco evidente de contágio em determinadas distâncias e modalidades:

  • Caminhada: distância inferior a 4 e 5 metros da pessoa que está à sua frente;
  • Corrida: a simulação aponta risco quando a distância é inferior a pelo menos 10 metros da pessoa que está à sua frente;
  • Pedalada: risco de contágio em uma  distância  inferior a 20 metros da pessoa que está à sua frente.

De acordo com as simulações, se as pessoas estiverem andando ou correndo ao lado uma da outra em tempo calmo, sem vento, as distâncias podem diminuirem. Outra forma de evitar as gotículas dos que caminham à frente é manter uma linha diagonal, em vez de caminhar ou pedalar diretamente nas mesmas linhas.

E como recomendação final para evitar essas gotículas, os pesquisadores ressaltam que as pessoas usem máscaras durante as atividades físicas ao ar livre ou se exercitem em casa.

Recentemente, pesquisadores apontaram que o novo coronavírus (Sars-Cov-2) pode permanecer no ar em forma de gotículas por até 3 horas. Portanto, todo cuidado é pouco. 

Acesse o site e veja a lista dos parques que serão reabertos.

 

Posts Relacionados

O Sucesso pelos Bons Hábitos

Gilmara Eid

Contraprova confirma 1º caso de coronavírus no Brasil, diz fonte

Redação

Prefeitura realiza ação de prevenção aos escorpiões

Alessandro Belcorso

DEIXE UM COMENTÁRIO