19.1 C
Osasco
22 de agosto de 2019
Opinião Vampeta - Histórias do Velho Vamp

Histórias do Velho Vamp: O dia em que comprei uma camisa do São Paulo por 25 mil reais

Essa história eu sinceramente não gosto muito de lembrar (risos), mas já a contei algumas vezes mas vamos de TBT aqui no blog, parça (risos).
Cheguei em Alphaville num restaurante comes e bebes para o leilão da Fundação Cafu. O Cafu reuniu todos os patrocinadores do projeto num jantar de gala e convidou alguns ex-atletas e cantores. Dos jogadores, estavam eu, Denilson, Sérgio, Marcos Assunção, Edmilson e Juninho Paulista.

O Cafú subiu ao palco e fez um pedido: ”Eu queria que duas pessoas viessem aqui me ajudar com o leilão pois são muito descontraídos. Vampeta e Denilson, por favor, venham ao palco”. Eu fui né.

O primeiro item a ser leiloado: a camisa do Juninho Paulista, campeão da Libertadores pelo São Paulo. Já que estava em cima do palco, decidi tomar a iniciativa. ”Vai começar por mim. Eu dou 25 mil reais”. As mesas em baixo ficaram esperando um lance de 25 mil e 500 ou 26 mil para ajudar a fundação. E nada. O Cafu perguntou mais de uma vez: ”Alguém dá mais que 25?”. Meus pés e mãos começaram a suar.

Cafu então prosseguiu. ”Dou-lhe uma, dou-lhe duas, dou-lhe três… A camisa é do Vampeta”. Acabou com o meu leilão (risos). Em seguida, leiloaram a do Palmeiras e pagaram mil. Um passeio com a Amanda Françozo, 500. Eu não sei aonde que eu tirei isso de 25 mil.

Ao fim do leilão, a secretária do Cafu chegou em mim e perguntou a forma de pagamento. Pagar? Fiz isso para ajudar. Vendo meu desespero, ela propôs uma solução: ”Paga em 5 parcelas de 5 mil”. Se fizesse isso, eu ia acabar morando na fundação e não sairia mais de lá (risos).

Depois, tive que aguentar gozação do Juninho Paulista e do Marcos Assunção. E até hoje eu não paguei essa camisa (risos).

Fuii! Velho Vamp

Posts Relacionados

Oficinas Gastronômicas, uma experiência gratificante

Rango do Alê

A instrução do Oswaldo de Oliveira para o Dinei

Alessandro Belcorso

Copa São Paulo de 1991 – Eu estava lá

Alessandro Belcorso

DEIXE UM COMENTÁRIO