19.1 C
Osasco
22 de agosto de 2019
Cinema e TV Francisco Rossi Junior - Arte das Telas

Acabou! Final digno fecha a temporada mais fraca de Game of Thrones

ATENÇÃO! TEXTO COM SPOILERS. Se você ainda não viu o último episódio da última temporada de Game of Thrones não leia este texto!

Acabou! Depois de 8 anos, 8 temporadas, 73 episódios, incontáveis personagens, tramas e mortes, uma das melhores séries de todos os tempos (está em 6º no Ranking do IMDB, site que calcula as notas dos próprios internautas), vencedora de 1 Globo de Ouro e vários Emmys, a saga da família Stark terminou.

Sim, a história é sobre a família de Ned Stark, protagonista da série que morre no último episódio da primeira temporada. Tudo que acontece ao redor, inclusive a batalha contra o Rei da Noite e a própria Guerra dos Tronos é pano de fundo para contar a história desta família.

Embora o melhor personagem da série seja o anão Tyrion Lannister. O arco deste personagem é incrível, de pária da própria família, irresponsável, para uma das pessoas mais importantes do reino e Mão do Rei. Aliás o último episódio é dele. Ele reina absoluto. Atuação digna de Globo de Ouro, Emmy, ou qualquer outro prêmio da TV. O diálogo dele com Jon Snow talvez seja o melhor diálogo de toda a série e um dos melhores dos últimos tempos da TV.

Lendo e vendo comentários nas Redes Sociais e de amigos sobre o final vejo pessoas que odiaram e pessoas que gostaram muito. Eu me encaixo na segunda parte. E a única explicação que eu encontro para quem não gostou é a seguinte: uma decepção particular pelo final não ter sido como a pessoa esperava.

E o que as pessoas queriam? Jon Snow Rei? Daynerys e Jon juntos? Mais uma batalha? Será que as pessoas focam apenas no final e esquecem a jornada? Eu, como todas as outras que assistiu a série, imaginava várias alternativas para o final. Errei quase todos os meus palpites e fiquei extremamente satisfeito com o que eu vi.

O desfecho dos 4 irmãos não poderia ser melhor: Bran, Rei de Westeros e protetor dos Seis Reinos;  Sansa, coroada Rainha de um Norte finalmente independente; Arya, uma aventureira desde o princípio, indo explorar o desconhecido Oeste e finalmente Jon Snow, que abriu mão de tudo, afinal de contas “o dever é a morte do amor”, para ser banido e voltar para ser o Lorde Comandante do Castelo Negro e, pelo que indica as últimas cenas, ser o Rei Para-Lá-da-Muralha, e povoar aquela Região,

Por fim quero destacar as melhores cenas deste último episódio: além dos já citados diálogo entre Tyrion e Jon Snow e o desfecho dos Stark, eu destaco: Tyrion jogando o broche de Mão do Rei para longe; Jon matando Daynerys; Drogo queimando e derretendo o Trono de Ferro, que simbolismo tem esta cena; Brienne, em uma cena lindíssima, concluído a história de Jamie Lannister no livro dos heróis e finalmente a cena do conselho, com um Sam com uma “utópica” ideia de democracia e finalmente o emocionado discurso de Tyrion a favor da escolha de Bran, para ser Rei de Westeros e desta forma “quebrar a roda”, como tanto pregava Dayneris, e de certa forma, ainda sem a ousadia sugerida por Sam, introduzir a democracia em Westeros.

 

Posts Relacionados

Sony anuncia planos de novos filmes em parceria com Marvel

Alessandro Belcorso

Clint Eastwood mostra que aos 88 anos está em plena forma como ator ou diretor

Francisco Rossi Jr.

Com John Wick: Parabellum Keanu Reeves faz a melhor trilogia da carreira dele.

Francisco Rossi Jr.

DEIXE UM COMENTÁRIO