21.9 C
Osasco
22 de abril de 2019
Opinião Vampeta - Histórias do Velho Vamp

Histórias do Velho Vamp: O acordo entre Edílson e França nas Eliminatórias de 2002

 

Foto: Juca Varella/ Folha Imagem

Nas eliminatórias de 2002, Edílson e França acabaram formando a dupla de ataque da Seleção devido as ausências de Ronaldo Fenômeno e Romário, o primeiro machucado e o segundo teve um problema com o Felipão depois do jogo que fizemos contra o Uruguai, em Montevidéu.

Malandro, o Edílson chegou no França: ”A parada é o seguinte. A seleção está passando por dificuldades na nossa posição. Vamos tocar a bola um para o outro, que o Felipão vai nos convocar para a Copa do Mundo, já que o Ronaldo está lesionado e Romário não vem mais. Fechado?”. O França respondeu firme: ”Fechado”.

Diante da Venezuela, o Edílson chegou no fundo, viu o França na marca do pênalti mas acabou chutando para o gol. Depois, o França emenda uma tabela e o Capetinha estufa as redes. O ex-atacante do Timão ainda teve duas oportunidades de passar a bola para o seu companheiro de ataque mas finalizou.

Acabou o jogo. Brasil se classificou para a Copa do Mundo. Estamos no avião em ritmo de festa pela classificação e percebo o França bem cabisbaixo, triste. Fui falar com ele, que me explicou: ”Seu amigo é um traíra do c…! Combinamos de um tocar a bola para o outro e ele não tocou. Teve 3 chances de passar pra mim e nada”.

Sai de perto do França e fui falar com o Edílson, né. Expliquei a situação. O Capetinha então deu a sua versão: ”Eu combinei com ele de tocarmos a bola um para o outro na expectativa de irmos para a Copa. Só que, Vamp, apareceram 3 bolas no jogo para eu tocar. Se eu tocasse, ele ia acabar fazendo 3 gols e eu ia ficar de fora” (risos)

Sabe o que aconteceu depois? O Edílson foi lá com o França: ”Juro por Deus, amigo, eu não te vi” (risos). Eles discutiram ali, um dizendo que viu e o outro que não. Depois, o Edílson falou pra mim: ”Eu enxerguei ele nas 3 vezes. Não toquei mesmo. Acabei indo para a Copa” (risos).

Posts Relacionados

Oficinas Gastronômicas, uma experiência gratificante

Rango do Alê

A marra de Romário nas eliminatórias da Copa de 2002

Alessandro Belcorso

A fase em que o Corinthians tinha que marcar o Batata

Vampeta

DEIXE UM COMENTÁRIO