24 C
Osasco
22 de abril de 2019
Opinião Vampeta - Histórias do Velho Vamp

O meu primeiro comercial

Histórias do Vamp: O meu primeiro comercial

Reprodução

Quando eu ainda estava jogando, fui fazer propaganda para uma empresa de móveis que patrocinava o Corinthians. Daí, sai do treino e me disseram: ”Vampeta, você vai ter que gravar para a televisão e vai apresentar uma sala, uma cozinha e um quarto”. Então, fui lá na loja, que ficava na Lapa, no meio do povão todo mesmo, para apresentar o sofá.

Fui achando que era coisa rápida. Coloquei o uniforme do Corinthians e começamos a gravar. A gravação começou umas duas da tarde e teve uma hora que perguntei quando que acabava. Me disseram: ”Ah, umas dez horas acaba”. E eu falei: ”O que? Tudo isso?”.

Comecei a gravar: ”Compre tal sofá em tantas vezes, sem juros…”. Depois, me pediram para repetir uma, duas, três, quatro, cinco, seis vezes. E eu estava ficando desconfortável, achava que estava errando. Não sabia que era tão comum repetir várias vezes. Todo mundo me olhando lá e só pensava: ”Caramba, dou entrevista para vários veículos de comunicação e não quebro, e já gravei aqui a mesma cena mais de dez vezes”. Fiquei com vergonha e pedi para beber uma água fora da loja.

Quando eu sai da loja foi quase que automático: entrei no primeiro táxi que vi pela frente. Já estava deixando meu carro, a chave e todas as minhas coisas para trás. O cara da agência me viu entrando no carro e começou a me abordar: ”O que você vai fazer? Onde está indo?”. E falei assim: ”Não vou gravar mais não. Se eu estou errando na sala, imagine até chegar ao quarto e sem contar que falta a cozinha ainda”. O rapaz tentou me tranquilizar: ”Mas o Antônio Fagundes repete mais de mil vezes a mesma cena, é normal isso”. Foi aí que eu piorei: ”Poxa, mas se a fera da Globo repete mil vezes, eu vou ficar aqui duas mil, não vai acabar nunca. Agora é que vou embora mesmo”.

Cheguei lá no Corinthians e falei para o presidente: ”Ah, o meu negócio é jogar bola, não quero mais saber disso não. Bota outro no meu lugar”. Óbvio que aquele comercial nunca foi ao ar porque eu só fiz umas dez vezes o sofá e fui embora. Não cheguei no quarto, muito menos na cozinha (risos).

Posts Relacionados

Copa São Paulo de 1991 – Eu estava lá

Alessandro Belcorso

Oficinas Gastronômicas, uma experiência gratificante

Rango do Alê

Uma noite no museu: Concurso vai oferecer hospedagem na pirâmide de vidro do Louvre

Néo Correia

DEIXE UM COMENTÁRIO