18.8 C
Osasco
25 de maio de 2019
Opinião Vampeta - Histórias do Velho Vamp

Memórias do Velho Vamp – #01

Eu sempre gostei de escutar histórias. Escutava pra guardar e depois contar.

Tenho um grande amigo, chamado Samuel Morais Leal, que é lá de Nazaré e morava duas casas depois da casa da minha avó.

Samuel é quatro anos mais velho do que eu, e era também o cara mais cômico que tinha. De noite, a gente ficava sentado nas portas das casas, conversando e contando histórias de assombração e piadas.

Quem mora no interior sabe que tem muito isso — histórias de lobisomem, caipora… Mas ele, o Samuel, contava muita piada, e eu lembro que comecei minhas próprias histórias com uma história dele.

Uma piada que tinha em torno de quarenta palavras, todas com a letra “f”.

Essa pode ser considerada minha primeira história, ou minha primeira “resenha”, como dizem os jogadores de futebol. É assim:

Dois caras fugiram do presídio. Quando estavam a dez quilômetros de distância, um deles falou: “Tô com fome”.

E o outro respondeu: “Não, não dá pra gente parar ainda, estamos muito próximos da prisão”.

Mas o outro insistiu, dizendo que na cadeia ele tinha banho de sol, cinco refeições por dia e que se fosse pra fugir daquele jeito era melhor voltar. O parceiro, então, concordou em
entrar em um restaurante, desde que o outro não falasse nada, ficasse quieto, pra ninguém desconfiar.
Os dois, então, entraram no restaurante e se sentaram. O que havia mandado o outro ficar calado viu, pelo crachá, que o nome da garçonete era Filó. E pediu:
— Filó, faz favor.
— O que você quer comer? — perguntou a garçonete.
— Frango, farofa, fritas, feijão.
— E pra beber?
— Fanta.
— Aceita uma sobremesa?
— Figo fresco.
— Aceita um café?
— Fraco e frio.
Tudo com a letra “f”. A garçonete, então, explicou o caso ao dono do restaurante, que desconfiou e resolveu abordar um dos clientes suspeitos:
— Boa tarde, amigo. Qual é o seu nome?
— Firmino Fragoso Filho.
— E você é de onde?
— Fortaleza.
— O que você faz?
— Fui ferreiro.
— E fazia o quê?
— Foice, faca, ferradura, ferramenta e facão.
— Você fuma?
— Fumo Free.
— Lê revista?
— Fatos e Fotos.
— Pra que time você torce?
— Flamengo.
— E seu ídolo?
— Felipe.
— Tem filhos?
— Fátima e Fernando.
— É, eu já percebi que você fala tudo com a letra “f”… Se você
conseguir falar mais onze palavras com a letra “f”, eu te dou um
Fusca que eu tenho lá fora pra você fugir, porque eu já percebi que
vocês estão fugindo da polícia.
— Filó, filhinha, faz favor… Ficando fiado, formidável! Ficarei
fiel…
— Errou! Você falou nove!
— … foda-se, fresco!!!
Eles ganharam o Fusca, mas na hora em que estavam saindo
acabaram batendo o carro na porta do restaurante. O dono, então,
reclamou:
— Pô, vocês bateram o Fusca?
— Faltou freio…

Posts Relacionados

Histórias do Velho Vamp: O cupido Mauro Silva e o seu plano B

Vampeta

Histórias do Velho Vamp: Domingos e a sua elegância

Vampeta

O gato que exagerou ao mentir na idade

Alessandro Belcorso

DEIXE UM COMENTÁRIO